terça-feira, 30 de agosto de 2011

Yoga para os amantes do vinho

Enviado por um amigo, não resisti a esta simpática e muito divertida animação.
Então decidi postá-la.

Desta forma, até que eu me animaria a fazer Yoga...rsrsrs

Penso que é este o espírito com relação ao vinho: uma coisa boa e muito divertida....




video

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Miolo TerraNova - Chenin Blanc - 2008

Surpresa, uma grata surpresa. Esta foi minha reação ao degustar este vinho da Miolo produzido no Vale do São Francisco.

Um vinho simples, mas bastante razoável e com uma relação custo benefício muito boa. R$17,90 no Extra Supermercados.

A surpresa vem acompanhada de um constatação que muitos especialistas insistem em comentar: o vinho do Brasil é o vinho branco e por consequência os espumantes. Num País tropical, verão sempre muito quente e com a maioria das regiões com invernos discretos, nada mais natural que se beba um vinho branco no ponto, geladinho e fresco.

Vinícolas como a Miolo ou Casa Valduga deveriam investir não só na produção e no processo, para obter um vinho razoável a um preço realmente competitivo, mas levar estes vinhos para mais próximo do consumidor como a beira mar, restaurantes mais populares, etc...Imagino que seria um bom caminho para popularizar seu consumo e por consequência abaixar mais ainda seu preço.

Mas vamos ao vinho:

Na taça amarelo palha, bonito e límpido. Lágrimas bem bonitas.

No nariz, pera e maracujá maduros. Um toque de manteiga e casca de pão. Um pouquinho de mel no final.

Na boca um vinho não muito complexo, mas bastante agradável.

Já posso imaginar um dia de sol, mar, camarões, peixe, ostras....e este bom vinho nacional.

A Miolo esta no caminho e torço para novas surpresas.

domingo, 28 de agosto de 2011

O fundo da garrafa afuninaldo é sinônimo de vinho melhor?

Vez ou outra alguém me pergunta se realmente uma garrafa com o fundo bem afuninaldo seria um bom sinal para definir se o vinho é bom o ruim.

Já havia prometido um post sobre isto faz tempo, mas acabei por esquecer.

Mas aqui vai:

A resposta imediata é não. O que ocorre é que algumas vinícolas engarrafam seus vinhos mais sofisticados em garrafas mais robustas, mais pesadas. Naturalmente isto obrigado a um fundo mais robusto (cônico) também. E este é realmente o diferencial. Maior resistência. No caso das garrafas dos espumantes isto é fundamental, pois os espumantes estão sob pressão (mais ou menos 6 bar) o que obriga então o uso de garrafas mais resistentes.

Concluindo, talvez você encontre bons vinhos com garrafas mais robustas, mas de forma alguma os de garrafas mais leves e com fundo mais chato indicam vinhos ruins.
São tantos os fatores que influenciam na obtenção de um bom vinho que este detalhe da garrafa certamente não entra na composição da qualidade.

Vinho bom é aquele que você gosta e aprecia. Tentar encontrar novas opções é uma ótima ideia, mas abra as garrafas, sem se preocupar muito com os fundos (das garrafas)..rsrs...




VistaMar - Cabernet Sauvignon - 2010

Uma vez mais comprando vinho em lugares improváveis. Este aqui eu encontrei numa banca de jornal!!!! Pois é, bem improvável não é mesmo. Explico: a revista VinhoMagazine fez uma promoção este mês. Ao comprar a revista que custa R$12,90 mais R$3,00, você leva uma garrafa do vinho.
Irresistível não é mesmo?
Pesquisando na internet, encontrei o vinho por R$12,99 na www.imigrantesbebidas.com.br.
Estes valores sugerem um vinho duvidoso, mas não é verdade? Um vinho simples com certeza, porém bem razoável e adequado para aquele almoço ou jantar sem muitas pretensões.
Vamos ao vinho:
Na taça vermelho granada bem fechado. Lágrimas persistentes e bonitas
No nariz baunilha, frutas vermelhas maduras e um tostado, madeira.
Na boca um vinho simples, mas bem agradável. Acompanhando uma massa vai muito bem.
Conclusão, vale sempre a pena arriscar nestes lugares improváveis, pois volta e meia podemos encontrar coisas boas assim.