quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Halkidiki - 2009 - Assyrtiko & Sauvignon Blanc


Foi a minha primeira vez. E como toda primeira vez, a expectativa era grande.
Afinal trata-se de um vinho Grego.

Um supermercado do subúrbio, prateleira de vinhos desorganizada. E lá esta ele, perdido no meio de vinhos muito simples.

Consegui garimpar duas garrafas. O preço me deixa desconfiado: R$19,80. Mas, como todo entusiasta, porque não? Vamos prová-lo

E esta primeira vez foi gratificante. Um belíssimo vinho branco. Saboroso, leve, refrescante. Ao tomá-lo logo vem a mente aquelas casinhas brancas, sol, céu azul e mar.
Vinho perfeito para dias quentes.

Vamos ao vinho:

Na taça esverdeado claro, límpido.

No nariz frutas cítricas ainda verdes. Maçã, lichia, pera.

Na boca um vinho leve e refrescante. Equilibrado não ficando nem enjoativo ou amargo. Final de boca delicioso.

Para aquelas tardes de verão, petiscos leves, frutos do mar. Uma bela porção de ostras frescas seria a combinação que mais me agradaria.

Em suma, um excelente vinho e com uma relação custo benefício fantástica.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Herdade do Pinheiro - 2007 Alentejo


O Alentejo em Portugal vem produzindo com uma tremenda regularidade, vinhos muito bons e normalmente com uma relação custo benefício muito boa.

Este aqui poderia se dizer que é com certeza se não a melhor, talvez uma das melhores relações custo benefício possível.

Um vinho muito bom mesmo. Um vinho bacana e bastante agradável. Não fosse seu preço módico (R$21,90 nos supermercados Mundial), poderia parear com elegância ao lado de grandes vinhos com preços bem menos palatáveis.

Vamos ao vinho:

Na taça vermelho intenso, bordas violáceas. Lágrimas generosas e bonitas.

No nariz, frutas maduras em compota. Ameixa, amora. Chocolate e baunilha completam. Nada muito intenso ou agressivo. Depois de algum tempo aberto estes odores vão se pronunciando.

Na boca um vinho macio, com taninos presentes e equilibrados. Um vinho bem gostoso.

Vai bem com uma massa em molho vermelho. Frango ensopado.

Uma barganha.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Casa Perini - Chardonnay - 2008

Lugares improváveis as vezes nos surpreendem. Isso vale para um monte de coisas. E beber vinho é sempre uma oportunidade para ser surpreendido
Bom, estava eu em uma pizzaria comemorando o aniversário de um amigo. Todos no chopp. Boa combinação na verdade. Mas eu sempre dou uma olhada na carta de vinhos. Encontrei este ai e resolvi testar....
Pois bem, mais uma grata surpresa e mais uma vez com um vinho branco.
Este chardonnay esta muito equilibrado, leve, um vinho gostoso e fácil de se beber.
Numa rápida pesquisa o encontrei por volta de R$20,00. Bastante razoável.
Vamos ao vinho:
Na taça amarelo palha brilhante e límpido, lágrimas discretas.
No nariz frutas brancas maduras. Maracujá, melão pera. Final com mel.
Na boca um vinho bem leve, agradável. Perfeito para um dia de verão.
Combinou muito bem com as pizzas mais leves, como de tomate seco com rúcula.
Pizzas, especialmente rodízios, são complicados de se harmonizar, pois há sabores muito divergentes, hora suaves, hora muito fortes. Mas gostei e recomendo este vinho....

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Yoga para os amantes do vinho

Enviado por um amigo, não resisti a esta simpática e muito divertida animação.
Então decidi postá-la.

Desta forma, até que eu me animaria a fazer Yoga...rsrsrs

Penso que é este o espírito com relação ao vinho: uma coisa boa e muito divertida....




video

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Miolo TerraNova - Chenin Blanc - 2008

Surpresa, uma grata surpresa. Esta foi minha reação ao degustar este vinho da Miolo produzido no Vale do São Francisco.

Um vinho simples, mas bastante razoável e com uma relação custo benefício muito boa. R$17,90 no Extra Supermercados.

A surpresa vem acompanhada de um constatação que muitos especialistas insistem em comentar: o vinho do Brasil é o vinho branco e por consequência os espumantes. Num País tropical, verão sempre muito quente e com a maioria das regiões com invernos discretos, nada mais natural que se beba um vinho branco no ponto, geladinho e fresco.

Vinícolas como a Miolo ou Casa Valduga deveriam investir não só na produção e no processo, para obter um vinho razoável a um preço realmente competitivo, mas levar estes vinhos para mais próximo do consumidor como a beira mar, restaurantes mais populares, etc...Imagino que seria um bom caminho para popularizar seu consumo e por consequência abaixar mais ainda seu preço.

Mas vamos ao vinho:

Na taça amarelo palha, bonito e límpido. Lágrimas bem bonitas.

No nariz, pera e maracujá maduros. Um toque de manteiga e casca de pão. Um pouquinho de mel no final.

Na boca um vinho não muito complexo, mas bastante agradável.

Já posso imaginar um dia de sol, mar, camarões, peixe, ostras....e este bom vinho nacional.

A Miolo esta no caminho e torço para novas surpresas.

domingo, 28 de agosto de 2011

O fundo da garrafa afuninaldo é sinônimo de vinho melhor?

Vez ou outra alguém me pergunta se realmente uma garrafa com o fundo bem afuninaldo seria um bom sinal para definir se o vinho é bom o ruim.

Já havia prometido um post sobre isto faz tempo, mas acabei por esquecer.

Mas aqui vai:

A resposta imediata é não. O que ocorre é que algumas vinícolas engarrafam seus vinhos mais sofisticados em garrafas mais robustas, mais pesadas. Naturalmente isto obrigado a um fundo mais robusto (cônico) também. E este é realmente o diferencial. Maior resistência. No caso das garrafas dos espumantes isto é fundamental, pois os espumantes estão sob pressão (mais ou menos 6 bar) o que obriga então o uso de garrafas mais resistentes.

Concluindo, talvez você encontre bons vinhos com garrafas mais robustas, mas de forma alguma os de garrafas mais leves e com fundo mais chato indicam vinhos ruins.
São tantos os fatores que influenciam na obtenção de um bom vinho que este detalhe da garrafa certamente não entra na composição da qualidade.

Vinho bom é aquele que você gosta e aprecia. Tentar encontrar novas opções é uma ótima ideia, mas abra as garrafas, sem se preocupar muito com os fundos (das garrafas)..rsrs...




VistaMar - Cabernet Sauvignon - 2010

Uma vez mais comprando vinho em lugares improváveis. Este aqui eu encontrei numa banca de jornal!!!! Pois é, bem improvável não é mesmo. Explico: a revista VinhoMagazine fez uma promoção este mês. Ao comprar a revista que custa R$12,90 mais R$3,00, você leva uma garrafa do vinho.
Irresistível não é mesmo?
Pesquisando na internet, encontrei o vinho por R$12,99 na www.imigrantesbebidas.com.br.
Estes valores sugerem um vinho duvidoso, mas não é verdade? Um vinho simples com certeza, porém bem razoável e adequado para aquele almoço ou jantar sem muitas pretensões.
Vamos ao vinho:
Na taça vermelho granada bem fechado. Lágrimas persistentes e bonitas
No nariz baunilha, frutas vermelhas maduras e um tostado, madeira.
Na boca um vinho simples, mas bem agradável. Acompanhando uma massa vai muito bem.
Conclusão, vale sempre a pena arriscar nestes lugares improváveis, pois volta e meia podemos encontrar coisas boas assim.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Jacob's Creek - 2007 - Shiraz Cabernet


As vezes compramos um vinho pelo rótulo, outras vezes pelo nome famoso. Este é o caso. Esta vinícola é uma das maiores da Austrália e remete portanto aos bons vinhos daquelas terras. Andei comprando alguns varietais deles a cada vez que passo pelo free shopping. Até agora não me encantei com nada.

Com este aqui não foi muito diferente. É um vinho bonito, que começa muito bem. Mas no final fica uma sensação de que faltou alguma coisa.

Vamos ao vinho:

Na taça vermelho rubi intenso com lágrimas discretas, mas persistentes.

No nariz especiarias, frutas vermelhas bem maduras, madeira e um pouco de baunilha. Tudo um pouco fechado.

Na boca um vinho um tanto áspero no final. Deixa uma sensação de acidez muito alta.

Estava com este vinho a quase dois anos na adega e não imagino então que o mesmo irá melhorar muito.

Enfim não é exatamente um vinho ruim, mas em minha opinião faltou equilíbrio e final.

domingo, 24 de julho de 2011

Luigi Bosca DOC - 2006 - Malbec





Costumo dizer que a uva é um daqueles caprichos da natureza que sempre nos fará refletir sobre a beleza e a complexidade dela.



Uma fruta, uma única fruta pode se transformar em algo fulgaz como um simples suco. Mas também pode se transformar em algo surpreendente como este vinho.



A uva aqui é a Malbec, ícone da Argentina. Nas mãos desta bodega, foi transformada neste precioso e maravilhoso vinho.



Presente de um querido amigo, o degustei com calma num belíssimo almoço de domingo.




Vinho surpreendente e elegante, daqueles que não sai mais da memória.



Vamos ao vinho:



Na taça vermelho rubi intenso, com reflexos nas bordas. Lágrimas muito intensas, persistentes e bonitas.



No nariz frutas vermelhas maduras, ameixas, cerejas. Chocolate, baunilha e toques de especiarias.



Na boca, um vinho fantástico, intenso, carnudo, sedoso. Vai muito bem com carne vermelha em molho, pratos parrudos. Final de boca macio e delicado.



Um daqueles vinhos que nos fazem reverenciar a natureza por seus caprichos....

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Nieto Senetier - 2007 - Cabernet Sauvignon



Há um consenso geral entre especialistas e apreciadores de que os vinhos mais populares e simples (aqueles que compramos em supermercados, por exemplo), são vinhos prontos para beber e portanto carecem de um tempo em adega para que por ventura venham a melhorar.


Pois bem, este Argentino aqui em minha opinião é prova de que nem sempre àquela afirmação é verdadeira.


Havia comprado duas garrafas (sempre compro duas de um vinho que desejo provar, para que tenha a oportunidade de uma contra-prova).


E foi o caso. A primeira, aberta logo que o vinho chegou (comprei-o pela internet na Menuespecial.com.br) achei o vinho muito agressivo, taninos muito marcantes, o que não me agradou. Quase 2 anos de adega, resolvi abrir a segunda garrafa.


E ai esta, o vinho evoluiu e melhorou muito. Ficou mais macio, mais sedoso. Uma diferença marcante e que valorizou muito este vinho que é bem em conta (R$29,90).


Vamos ao vinho:


Na taça vermelho intenso, sangue. Lágrimas bonitas e firmes.


No nariz, especiarias,baunilha, pimentão, frutas bem maduras, ameixa seca.


Na boca um vinho potente, bem estruturado e com vigor. Pede carne vermelha em molho, carne de caça, coisas assim.


Conclusão: vale a pena volta e meia deixar uma ou outra garrafa para este tipo de experimentação.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Quinta do Caleiro - 2007 - Reserva

Os vinhos Portugueses têm mantido uma regularidade bastante grande nos últimos tempos.
É mais ou menos assim: esta em dúvida, então compre um Português de
preço mediano. As chances de se obter um vinho bem razoável são certas.
Este aqui não foge a regra. Vinho razoável por um preço bem razoável.
Nos Supermercados Mundial esta por cerca de R$25,00.
Aliás, mais uma novidade trazida por esta rede que tem tradição em oferecer bons preços para vinhos Portugueses.
Vamos ao vinho:
Na taça vermelho granada intenso. Lágrimas persistentes e bonitas.
No nariz madeira, especiarias e frutas vermelhas bem maduras.
Na boca um vinho bem macio e fácil de beber. Taninos redondos e acidez no ponto.
Como sempre é um vinho que pede comida. Carne vermelha, massa com molho forte, coisas assim.
Mais um lusitano para se beber sem muito compromisso.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Roi de Mari - Merlot - 2006


Se andas cansado dos frutadões do Chile e Argentina, vai ai uma boa opção do velho mundo.

Um varietal com cara de um blended bem elaborado. Ele é um Merlot que foi feito com carinho e atenção.

Numa faixa de preço mais alta (R$48,90), tem a chancela da Aimery, vinícola que produz um ótimo espumante na região de Languedoc e que o Zona Sul Supermercados importa com exclusividade. Este vinho também tem a importanção exclusiva.

Pois bem, muito me agradou este vinho. Bem estruturado, lembrando vinhos muito mais sofisticados.

Na taça vermelho âmbar com bordas cor de telha.

No nariz um vinho bem complexo. Especiarias, tabaco, couro, frutas secas.

Na boca um vinho macio e equilibrado. Final longo e agradável.

Enfim um excelente vinho para quem esta disposto a experimentar algo diferente do trivial.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Santa Luz - Carmenere Gran Reserva - 2009


Um achado. Assim começo minhas impressões sobre este vinho.


No meio de tantas "Santas Chilenas" este aqui se sobressai nos céus da vinicultura.


Baita vinho. Surpreendente e principalmente muito bom, muito bom mesmo.


Vinificado a partir da Carmenere, este varietal foge a tipicidade desta uva que remete a vinhos mais leves e sem muita estrutura. Ele tem bastante estrutura e corpo. Deve render bem numa adega por mais 2 ou 3 anos....


Encontrei este vinho no Supermercado Pão de Açucar por R$32,90, o que o faz ter uma ótima relação custo/benefício.


Vamos ao vinho:


Na taça vermelho rubi intenso com lágrimas intensas e bonitas.


No nariz frutas negras maduras, especiarias (pimenta), tabaco, baunilha, madeira. Tudo muito equilibrado e intenso.


Na boca um vinho bem encorpado, carnudo mesmo. Pede carne, pede molhos bem temperados.


Em resumo, um achado. Eu que andava meio cansado dos chilenos mais populares tive a grata surpresa de encontrar este bom vinho.

quinta-feira, 31 de março de 2011

Casa do Brasão - D´ouro - 2008


Voltando do trabalho, mercadinho da esquina....coisa nova na prateleira. Não resisto. Uma garrafa de um vinho do D´ouro por R$16,90. Ora pois, porque não?

Quem gosta de vinho age sempre assim. Afinal quem sabe não se tem ai uma surpresa?

Bem, este lusitano aqui não é exatamente um achado, mas é o tipo de vinho que chamo de "coerente". Um vinho simples, barato, mas bastante razoável para aquelas duas taças ao jantar sem muito compromisso.

Muitas vezes, vinhos simples assim não são contínuos. Ou seja, vão sumindo conforme vai se tomando. Não é este o caso. Vai simples e sem pretensões até o final da garrafa, mas "coerente"....

Vamos ao vinho:

Na taça vermelho granada bem escuro com lágrimas simples mas persistentes.

No nariz madeira, chocolate e especiarias. Nada muito marcante.

Na boca um vinho simples, mas gostoso. Foi muito bem com carne vermelha.

Muito boa relação custo / benefício. Ter umas 3 garrafas deste a mão é bem razoável.

terça-feira, 15 de março de 2011

Bianchi DOC - Malbec 2010


Encontrar um bom vinho por um preço também bom é o santo graal de qualquer enófilo. Afinal vinho bom caro demais é uma coisa nada surpreendente. Na verdade pode acontecer justo o oposto. Pagar-se um montão de dinheiro por um vinho medíocre.
Bem, no sentido oposto, encontrar um bom vinho por um preço módico é sempre muito divertido e instiga nossa mania de insistir em testar e testar.
Este Argentino aqui, por módicos R$13,50 no Zona Sul, pode ser classificado como uma belíssima descoberta.
Vinho gostoso, equilibrado, leve. Vinho que você pode ter caixas dele para o dia a dia e ficar bem satisfeito.
Vamos ao vinho:
Na taça vermelho granada intenso. Lágrimas abundantes e bonitas.
No nariz, baunilha, madeira e nozes. Incrível para um vinho tão jovem, mas juro que encontrei nozes....
Na boca um vinho macio e fácil de beber. Toques minerais bem presentes.
Resumindo: se você esta a procura de um vinho honesto e bastante agradável para o dia a dia, não tenha dúvidas, este é o vinho.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Caldora Yume Montepulciano DAbruzzo - 2006


Ou simplesmente YUME. Como já escrevi aqui algumas vezes, na faixa de R$60,00 normalmente voce vai tomar um vinho bem razoável. As vezes algo bem especial.
Este Italiano aqui não chega a ser um "algo especial", mas é um vinho bem interessante.
A coisa mais marcante nele é seu corpo. Muito intenso e marcante.
Comprei este vinho a menuespecial.com.br como teste mesmo. Não é um vinho surpreendente. Na verdade chega a ser meio óbvio. Mas é um óbvio dentro de uma faixa de vinhos muito bons.
Vamos ao vinho:
Na taça vermelho granada bem escuro. Lágrimas marcantes e persistentes.
No nariz frutas secas, flores e madeira, muita madeira. No fundo um pouco de café e especiarias.
Na boca um vinho bem encorpado, rendondo, fácil de beber. Pede carne vermelha em molho, massas bem pesadas.
Enfim, um bom vinho, mas com uma relação custo / benefício não tão boa assim.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Quinta das Amoras - Branco - 2009


Vinho bom e barato. Aí esta uma combinação que imagino ser o desejo de todos. Pois é, este lusitano aqui vai bem nessa combinação.
Ele vem identificado como um vinho regional de Lisboa????
Bem, na verdade não consegui descobri exatamente onde este vinho é produzido. E na verdade pouco importa. Por cerca de R$17,00 é um vinho bem competente e honesto.
Vamos ao vinho:
Na taça amarelo palha com reflexos dourados.
No nariz frutas brancas ainda verdes. Pêra, abacaxi e maçã.
Na boca um vinho macio e agradável. Simples e sem pretensões, mas bem agradável para estes dias de verão. Vai encontrá-lo no Zona Sul supermercados.
AGRADECIMENTO:
Meu sincero agradecimento a todos que puderam ajudar àqueles que foram atingidos pelas chuvas na região serrana. Muito há ainda que se fazer e reconstruir..... toda ajuda será sempre bem vinda.

sábado, 15 de janeiro de 2011

Pedido de Ajuda

Meus caros amigos, hoje não vou falar de odores, sabores, rótulos. Estou fazendo uso deste espaço para pedir ajuda a todos voces.

Sou morador de Nova Friburgo. Felizmente eu e minha familia estamos bem. Minha casa esta intacta apesar de isolada.

Mas minha cidade e meus conterrâneos estão sofrendo muito. Falta tudo por lá, desde água para beber a até mesmo uma simples vela para iluminar.

Peço então a todos que doem, se mobilizem, ajudem.

Um pouquinho de cada um pode fazer muita diferença.

Vai demorar muito para que muitos tenham o mínimo de normalidade em suas vidas.

Brindemos a vida, façamos de nossos sentidos uma arma para o bem e para a solidariedade.

Peço a todos que ajudem...a região serrana e minha cidade precisam muito.....

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Presentear com Vinhos: complicado?


Se algumas vezes escolher o vinho que você mesmo vai beber não é muito fácil, imagine escolher um vinho para presentear. Complicado não é mesmo?
Realmente esta boa intenção pode virar um tremendo mico e aquele presente que deveria ser marcante vira um vexame.
Mas vamos aqui com algumas dicas que acredito podem ajudar um pouco:
Homem ou Mulher?
1 - Homem: de um modo geral os homens tem preferência por vinhos tintos e tintos bem encorpados. Observe ou tente descobrir os hábitos alimentares do presenteado. Se costuma comer carnes vermelhas, massas e afins, este então é o vinho.
Se o sujeito é do tipo ultra-light, opte por um vinho branco ou então um espumante.
2- Mulher: vinho branco ou espumante tende sempre a agradá-las. Mas vale o mesmo para os homens. Ter uma idéia de seus hábitos alimentares é sempre bom. Um bom Chardonnay é sempre uma boa escolha.
Se a dúvida é muito grande, vá aos espumantes. Especialmente no verão são sempre bem vindos, Mas cuidado! Não vá me comprar um lambrusco de R$10,00 e achar que esta fazendo bonito....rsrs. Há excelentes opções, inclusive nacionais.
Outro bom critério é o preço. Um bom livro ou uma camisa simples custam algo como R$40,00 a R$60,00. Portanto use este parâmetro para um vinho também. Nesta faixa de preço é bem provável que sua escolha agrade.
Acessórios como abridores, tampões e decanters podem ser uma boa opção, porém os de qualidade e realmente úteis costumam ser bem caros. Então esqueça aquelas trapzongas da Casa e Vídeo. Jamais serão usados.
Não se preocupe tanto assim com a embalagem. Um bom vinho fala por sí só em seu rótulo.
E por último não tenha dúvida. Para um amante de vinhos não há camisa ou livro no mundo que valha mais que um bom vinho presenteado....ele é bem mais efêmero, pois ao ser consumido deixa de existir....mas fica na memória para sempre...

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Dona Dominga - Cabernet Sauvignon Carmenere - 2010


Aqui no Rio de Janeiro vinho de presença constante nas prateleiras do Supermercado Zona Sul, muitas vezes com preços bem convidativos (R$ 13,90 antes do Natal), este típico Chileno não faz feio apesar de ser um vinho simples.
A Casa Silva, dona da marca é uma das mais antigas vinículas do Chile. Localizada no Vale do Colchagua, tem um linha bem diversificada com vinhos de primeira linha e premiados.
Este aqui, um corte de Cabernet Sauvignon e Carmenere é um vinho muito razoável e tem uma ótima relação custo benefício. A agressividade da Cabernet Sauvignon foi amansada com a carmenere, fazendo assim um vinho bem agradável.
Vamos ao vinho:
Na taça vermelho rubi com reflexos violáceos nas bordas. Lágrimas discretas, mas persistentes.
No nariz, frutas vermelhas como ameixa, amoras e um pouco de madeira. Nada muito expressivo, mas gostoso.
Na boca um vinho macio e bem equilibrado. Nada surpreendente, nada exuberante, porém bem honesto e suficiente para um bom jantar.
Vai bem com carnes vermelhas. Eu o degustei com um strogonoff de carne com arroz e batatas e ficou ótimo...